RAIVA MATA ! NÃO DEIXE DE VACINAR !

VACINA~2

Foram comprovados dois casos de raiva no Rio Grande do Norte há poucos dias, um morcego e um gato de rua apresentaram a doença. Isto é muito preocupante, porque muitas pessoas deixaram de vacinar nas  últimas campanhas devido ao grande número de reações que ocorreram em alguns animais. Não deixe de vacinar, a raiva é uma doença grave que não tem cura e leva a morte em todos os casos. As clínicas veterinárias também aplicam a vacina contra a raiva, raramente ocorrem reações pós-vacinais com a vacina utilizada e quando ocorrem são sintomas leves, facilmente revertidos com medicação específica. O custo da aplicação é muito baixo comparado com o benefício.

DOENÇA: A raiva é uma doença contagiosa causada por um vírus que  pode afetar os animais (mamíferos) e o homem. A transmissão se dá através do contato com a saliva de um animal doente, principalmente pela mordedura. É preciso compreender que nem toda mordida de cão ou gato transmite a raiva. É necessário que o animal seja portador do vírus para que haja a transmissão da doença.

TRANSMISSORES: Na   natureza, o morcego hematófago – que se alimenta de sangue – é   um dos mais importantes transmissores da raiva para outras espécies animais   e para o homem. Mas todos os mamíferos podem ser transmissores.

SINTOMAS: Os   principais sinais clínicos da raiva são: mudança de hábitos   e/ou comportamento (o animal passa a se esconder ou agir de maneira diferente   do usual), agressividade, salivação (o animal baba muito) e paralisia. É importante salientar que nem todo cão ou gato  que saliva (baba) está com raiva. No caso dessa doença, ocorre   paralisia dos músculos faciais, o que impede a deglutição   da saliva, daí a impressão do animal estar babando. Animais intoxicados   por alguns tipos de venenos (inseticidas, etc.) ou muito estressados também podem salivar  abundantemente, mas sem qualquer relação com a raiva. Da   mesma forma, nem todo animal agressivo possui a raiva. Na maioria das vezes,   a agressividade como único  sintoma é um problema apenas comportamental   (cães medrosos, dominantes ou traumatizados por apanhar). Os   sinais clínicos nos humanos são bem parecidos com os que ocorrem   em animais.

A   raiva é uma doença incurável, portanto, deve haver um controle   rigoroso da vacinação  dos animais domésticos e do campo. A vacina é a única   maneira de controlar a doença.

Animal
Risco de transmissão
Prevenção
cães       e gatos
alto
vacinação
morcegos
alto
não existe
bovinos,       eqüinos, caprinos e ovinos
médio
vacinação
camundongos,       hamsters, coelhos e outros roedores
baixo
não existe

*Fonte Instituto Pasteur

EM CASO DE MORDIDA: De   maneira geral, diante de uma caso de mordedura ou arranhadura por qualquer animal,   a primeira providencia a ser tomada, e altamente eficaz, é lavar o ferimento   com água e sabão/detergente. Isso dificulta a penetração   do vírus nos tecidos mais profundos, impedindo que ele atinja as terminações   nervosas por onde se propaga.

Se   uma pessoa é mordida ou arranhada por um cão ou gato que não   esteja vacinado, ou de origem desconhecida (cão ou gato de rua), esse   animal deve ser capturado e permanecer em observação por 10 dias.   Caso ele não apresente sinais clínicos da doença durante   o período de observação, não será necessário   nenhum procedimento ou tratamento para a vítima. Porém, se o animal   morrer (mesmo sem ter apresentado sinais da doença), desaparecer ou não   puder ser capturado para cumprir o período de observação,   a pessoa deve se dirigir imediatamente a um posto de saúde para  receber o tratamento contra a raiva. Mas é muito arriscado esperar, portanto, toda pessoa mordida por animal desconhecido ou não vacinado, com alteração de comportamento repentina, deve procurar atendimento o mais rápido possível.

É   importante salientar que, uma vez manifestados os sintomas de raiva no humano,   o tratamento é ineficaz, e levará a pessoa à morte. Em fevereiro de 2009 foi reportado o primeiro caso de cura da raiva em um paciente no Brasil. Embora essa tenha sido uma ótima notícia, foi um caso raríssimo e não pode ser considerado ainda um avanço. Por   isso, o atendimento médico deve ser feito prontamente para avaliação   dos riscos, pois a doença ainda é fatal em  100% dos casos confirmados da doença no homem.

O   tratamento curativo não está disponível para animais. No   caso de um animal doméstico não vacinado ser mordido por um outro   animal portador do vírus da raiva, ele certamente adoecerá e morrerá   num prazo de 10 dias.

PREVENÇÃO

VACINAÇÃO: As   campanhas de vacinação são importantíssimas no controle   da raiva. Mas se o animal já recebe a vacina antirrábica anualmente,   em clínicas veterinárias, não é necessário   revaciná-lo nas campanhas, desde que a vacina esteja em dia.

Além   dos cães, gatos e morcegos, que apresentam alto risco de transmissão   da raiva, outros animais também podem ser transmissores, como equinos,   bovinos, caprinos e ovinos, que podem ser vacinados e apresentam um grau médio   de transmissão da raiva para humanos.   Pequenos roedores como hamsters, camundongos, ratos, coelhos e outros, podem   transmitir a doença, mas eles apresentam um risco baixo de transmissão   da raiva. Não existe vacina para esses animais. Já os ferrets (furões) devem ser vacinados contra a raiva anualmente com a mesma vacina utilizada para cães e gatos.

Curiosidade:   “No passado, convencionou-se chamar agosto como “o mês do cachorro louco”,   porque nessa época, ou seja, época de mudança de estação primavera/verão, ocorriam   os cios das cadelas, havendo assim maior aglomeração dos animais para o acasalamento,   e conseqüentes motivos para agressões entre os cães e transmissão da raiva.”    (Humberto Clemente – med. veterinário).

Independente   desse fato, a raiva pode ocorrer em qualquer época do ano. Seu animal   deve estar sempre com a vacinação em dia.

A clínica Cão e Cia utiliza a vacina contra a raiva Defensor da pfizer. A vacina é muito eficaz e raramente causa efeitos colaterais. Nunca tivemos reações graves, como mortes, paralisias entre outras. Muito importante que a vacinação seja feita pelo veterinário porque somente animais saudáveis devem ser vacinados, e todo animal vacinado deve ser acompanhado quanto a possíveis reações.

vacina-51

Defensor

Defensor® é para vacinação de animais sadios (cães e gatos), como um auxiliar na prevenção da raiva. A vacina é preparada com vírus cultivado em linhagem celular, inativado quimicamente e tendo o hidróxido de alumínio como adjuvante. Esta cepa é altamente imunogênica, sendo uma amostra fixa do vírus rábico, proveniente do isolado original de Louis Pasteur, em 1882. O vírus inativado é formulado com um adjuvante altamente purificado, que resulta em uma melhor resposta imunológica e uma irritação tecidual mais baixa.

 

NUNCA DEIXE DE VACINAR !

A RAIVA MATA !

4 Comments

  • Erika Posted 28 de dezembro de 2016 1:23 pm

    Bom dia!

    Minha filhote foi vacinada contra raiva, quando cheguei em casa notei que a vacina venceu em 06/2016. O que devo fazer? ela não apresentou nenhum sintoma anormal, deve ser vacinada novamente, ou espero um período?

    Responder
    • caoecia petshop Posted 28 de dezembro de 2016 3:54 pm

      Boa tarde Erika. Normalmente a vacina tem uma validade maior do que a data de vencimento, mas isto não pode acontecer. Não vai ocorrer reação devido à vacina estar vencida, o que pode ocorrer é uma diminuição na sua eficácia. Converse com o veterinário que aplicou a vacina.

      Responder
  • ranulfo mourao veloso Posted 22 de setembro de 2013 2:30 pm

    onde achar vacina contra raiva Rai-Vac-I vacina inativada contra raiva em cães e gatos importada, porque suspeito que essa Defensor que esta no mercado agora, causou efeitos colaterais graves em outro cão meu se alguém souber e mail ranulfoyamaha@hotmail,com grato

    Responder
    • caoecia Posted 22 de setembro de 2013 4:56 pm

      Boa Tarde Ranulfo. A vacina Defensor é com vírus inativado. Utilizo esta vacina há muito tempo e nunca tive problema com reações graves, somente reações alérgicas que se manifestam por inchaço principalmente da cabeça, facilmente revertido com medicamentos específicos, mas estas reações podem acontecer com o uso de qualquer vacina. Já utilizei a Rai-vac também sem problema. Muitas vezes o que ocorre é que animais doentes são vacinados e isto pode agravar a doença. Por isso é muito importante que o animal seja examinado pelo veterinário antes de aplicar qualquer vacina. Ligue para as clínicas algumas trabalham com a rai-vac-i.

      Responder

Add Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com