DERMATITE ALÉRGICA

DERMATITE ALÉRGICA
DERMATITE ALÉRGICA

           A alergia ocorre quando o sistema imunológico responde de forma exagerada a uma substância estranha ao organismo.

           O principal sintoma da dermatite alérgica é o prurido ou coceira. Cães alérgicos lambem e mordem as patas, coçam as orelhas e olhos.

           Existem três tipos principais de dermatite alérgica.

 

Dermatite alérgica à picada de ectoparasitas, como pulgas e carrapatos

 

           Não são necessários uma grande quantidade de parasitas para causar a alergia, porque o cão começa a apresentar alergia à picada do parasita, portanto, somente um já desencadeia todo o processo alérgico. 

           A única forma de evitar o processo alérgico é fazendo o controle de ectoparasitas não só no cão, mas no ambiente de forma preventiva.

 

Alergia Alimentar

 

           Esta alergia normalmente é provocada por algum tipo de proteína presente nos alimentos. Desta forma o teste para alergia alimentar consiste em oferecer alimentos que contenham proteínas diferentes das que o cão está acostumado a comer.

          Nenhum outro alimento deve ser oferecido, somente assim consegue-se fazer o diagnóstico, identificando o alimento responsável pela dermatite alérgica.

Atopia

atopia1

 

   

          A atopia é uma doença genética, comum em cães e que provoca inflamação e prurido extremo. Há uma reação alérgica a substâncias ambientais, geralmente as mesmas substâncias que provocam rinite alérgica nas pessoas.

          A atopia não tem cura, o tratamento tem como objetivo dar qualidade de vida e conforto ao cão, deve ser acompanhado sempre, devido a possíveis efeitos colaterais de alguns medicamentos. Não existe um teste específico para diagnóstico, este é feito por eliminação.

          O cão atópico apresenta um defeito na barreira de proteção da pele, facilitando o seu ressecamento, a entrada de substâncias e também a proliferação de microorganismos.

             A atopia é uma doença hereditária mas não congênita, ou seja a combinação genética dos pais leva ao nascimento de um cão atópico, mas os sintomas podem se manifestar em qualquer idade, a maioria dos cães apresenta o início dos sintomas entre seis meses e três anos de idade, mas o quadro pode iniciar em qualquer idade.

           O cão atópico desenvolve alergia a substâncias presentes nos ácaros do ar, esporos de fungos do ambiente, pólen de vegetais e outras substâncias que podem estar presentes na poeira doméstica. Cada cão pode reagir a uma ou mais substâncias.

 

Tratamento

 

           Geralmente o tratamento para atopia é a base de corticoides, imunossupressores, entre outros, estes medicamentos podem causar efeitos colaterais no futuro, portanto, o acompanhamento constante através de exame clínico e laboratorial é muito importante. Terapia tópica através de shampoos hidratantes e medicamentos tópicos específicos. Muitas vezes o uso de antibióticos e fungicidas também é necessário para combater infecções secundárias, muito comum nos cães atópicos.

           O tratamento da atopia é muito complexo, exige muita cooperação e comprometimento do proprietário, além do entendimento de que a atopia não tem cura. O tratamento tem por objetivo dar conforto e qualidade de vida ao cão mas nunca vai conseguir proporcionar uma melhora de 100% no quadro clínico, pequenas crises sempre podem acontecer e devem ser consideradas aceitáveis.

 

Diagnóstico

 

           O diagnóstico é muito difícil devido aos sintomas semelhantes da maioria das dermatopatias alérgicas. Não existe um exame específico para se determinar qual o tipo de alergia que está causando os sintomas. Por este motivo o diagnóstico da alergia é realizado através de testes de exclusão. São necessárias muitas informações sobre o ambiente onde o cão vive, a alimentação, todos os alimentos ingeridos devem ser relatados, controle de ectoparasitas, se existem outros animais na casa, se o cão passeia, se toma banho em pet shop, produtos utilizados.  A investigação é longa e muito detalhada, exige muita cooperação e comprometimento do proprietário.

           Existem testes intradérmicos que podem ser utilizados para o diagnóstico. Existem também testes baseados no exame do sangue do cão, onde são testadas várias substâncias que podem causar alergia e baseado nestes resultados é feita uma vacina para tentar aumentar o limiar de sensibilidade do cão aos alérgenos.

           Cães atópicos devem ser retirados da reprodução, pois existe a possibilidade da transmissão da atopia para os filhotes.

           A pele do cão atópico é muito mais sensível, além de reagir mais intensamente às substâncias ambientais, ela é mais ressecada e permeável à entrada dos alérgenos, portanto, o mais importante no tratamento é sempre a hidratação da pele. Evitar qualquer substância que cause ressecamento.

 

Como ajudar a reduzir a alergia 

  • Nunca use sabão de côco na pele, ele causa muito ressecamento
  • Evite secador muito quente
  • Limpeza constante do ambiente com aspirador de pó
  • Limpeza do ambiente com produtos fungicidas ou hipoclorito de sódio 5% diluição de 1:30 (uma parte de hipoclorito para 30 de água).
  • Durante a limpeza do ambiente retirar o cão do local
  • Evitar tapetes, carpetes, cortinas, que podem acumular poeira e ácaros.
  • Controle constante de pulgas e carrapatos
  • Evitar que o cão fique em locais úmidos ou mofados
  • Restrição do contato com grama
  • Caso o cão durma em caminhas, coloca-la no sol diariamente por alguns minutos.

 

Fonte:http://www.dermopet.com.br/doencas-da-pele-caes-gatos/item/3-dermatite-alergica.html

www.virbac.com.br

 

 

 

 

Add Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com