Cuidados com o Cão

 

 

BassetHounds filhote

Filhotes são lindos, conquistam as pessoas no primeiro olhar, mas exigem cuidados e muita dedicação.

Não compre filhote por impulso, toda compra deve ser planejada, porque existem raças que podem não se adaptar ao seu estilo de vida. Uma compra mal feita só trará muito sofrimento a você e ao filhote, pois ele é retirado da mãe muito cedo e precisa ser tratado com muito carinho para não apresentar futuros problemas comportamentais.

Procure orientação sobre a raça que se adapta melhor ao seu estilo de vida.

CUIDADOS COM O CÃO

 

FILHOTE

14

 

Ao adquirir o filhote, procure saber qual alimentação que ele vem recebendo, nenhuma mudança deve ser feita inicialmente, mudanças bruscas na alimentação provocam diarréia. Procure saber sobre vacinas e vermífugo. Não leve o filhote para passear antes de completar as três doses da vacina múltipla, devido ao grande risco de contrair parvovirose e cinomose em ambientes contaminados, estas viroses são extremamente graves e levam a morte na maioria dos casos. Evite dar banho antes das vacinas, caso seja necessário, não leve ao pet shop, o banho deve ser dado em casa com orientação da veterinária. Nenhum medicamento ou procedimento deve ser feito com o filhote sem orientação da veterinária. Fique sempre atento a sintomas como; vômitos, diarreia, falta de apetite e abatimento, caso ocorram leve imediatamente para consulta veterinária, filhotes são muito sensíveis a doenças. Evite vacinar ou dar vermífugo nos primeiros dois dias, porque o filhote está se adaptando ao novo ambiente e isto causa muito stress, alguns filhotes podem apresentar fezes moles.

 

REMÉDIO PARA VERMES

vermes[1]

 

A primeira dose deve ser dada aos 30 dias. Muito cuidado ao administrar vermífugo líquido, deve ser dado com seringa sem agulha, no canto da boca, lentamente. Uma segunda dose do vermífugo deve ser dada após 15 a 21 dias. Posteriormente, o filhote deve receber doses mensais até completar 6 meses. Após os 6 meses, as everminações devem ser feitas a intervalos trimestrais, se o animal passeia muito e/ou tem contato com outros animais, caso não tenha, fazer a cada 6 meses, sempre com um reforço após 15 a 21 dias.

 

VACINAS

cachorro-vacina-veterinario-11707

 

Somente animais saudáveis devem ser vacinados.

Utilize SEMPRE vacinas de qualidade e siga rigorosamente os intervalos entre as vacinas.

Vacinas são feitas com o próprio vírus causador da doença, podem causar reações como: febre, dor, abatimento, inchaços, entre outros sintomas. Caso ocorram comunique imediatamente a veterinária.

 

Múltipla (V10): A mais importante de todas. Protege contra viroses graves, como a parvovirose e a cinomose, entre outras. A parvovirose causa diarréia com sangue e vômito, leva a morte em cinco dias. A cinomose causa paralisias irreversíveis, a maioria dos animais morre, não existe tratamento eficaz, atinge filhotes e adultos. A primeira dose da vacina deve ser feita a partir de 45 dias com mais dois reforços a intervalos de 21 a 30 dias, após o cão deve tomar uma dose todos os anos.

Giárdia: Protege contra a giardíase, doença que causa diarreia intensa, transmitida pela água e alimentos. Também é uma zoonose, ou seja, as pessoas podem ser contaminadas. A vacina deve ser feita após a múltipla. Devem ser feitas duas doses com intervalo de 21 a 30 dias. Após reforço anual.

Tosse: Protege contra a tosse dos canis, doença que causa tosse intensa, frequente e prolongada devido a inflamação da traquéia. Devem ser feitas duas doses da vacina injetável ou uma dose da vacina intra-nasal. Reforço anual com uma dose.

Leishmaniose: A vacina protege contra a leishmaniose (Calazar), doença transmitida pelo mosquito palha às pessoas e animais. Cães não transmitem leishmaniose às pessoas. A vacina deve ser feita após os 4 meses. Um exame específico deve ser feito para constatar se o animal já não apresenta a doença. Diante do resultado negativo, devem ser feitas três doses da vacina a intervalos de 21 dias rigorosamente. Após, reforço anual.

Anti-rábica: Vacina protege contra a raiva, deve ser feita após a vacina múltipla, nunca antes dos 4 meses. Dose única, após reforço anual.

 

ALIMENTAÇÃO

filhote comendo

 

O cão deve receber somente ração de boa qualidade e água. O filhote deve receber ração específica de acordo com a sua idade, três a quatro vezes ao dia e o cão adulto duas vezes ao dia. Quanto melhor for a qualidade da ração, menor será a quantidade de fezes eliminadas. Rações super premium (Royal Canin, Premier, Proplan) são rações de ótima qualidade porque possuem mais de 90% de absorção, pouca quantidade de fezes é eliminada. Nenhuma mudança brusca na alimentação deve ser feita, novas rações devem ser introduzidas gradativamente. Cães com mais de 7 anos devem receber ração específica de acordo com a idade para evitar futuros problemas de saúde. Evite dar muitos petiscos a filhotes e sempre que introduzir um novo alimento fique atento a sintomas como fezes moles e vômito.

 

 HIGIENE

 pet-tomando-banho

O filhote só deve frequentar o pet shop regularmente após as três doses da vacina múltipla. Os banhos podem ser semanais. Utilize produtos específicos para cães, evite usar produtos parasiticidas no banho sem necessidade, principalmente para filhotes. Muito cuidado com olhos e ouvidos. Animais de pêlo longo devem ser escovados diariamente. Os ouvidos devem ser limpos com algodão e produto específico (epiotic) uma vez por semana. Mau cheiro, coceira, secreção nos ouvidos não é normal, caso ocorram consulte a veterinária. Limpe a região ao redor dos olhos com algodão e soro fisiológico ou com produtos específicos (ocucan), secreção, olho vermelho, coceira não é normal, sempre procure orientação diante destes sinais. O filhote deve ser acostumado a escovar os dentes desde cedo para que após os quatro a cinco meses, quando faz a troca da dentição para a definitiva, possa fazer a escovação a cada 2 dias. A escovação evitará o tártaro e todos os problemas que ele causa.

 

CONTROLE DE PARASITAS

 pulgasecarrapatos

Muito importante. Utilize produtos parasiticidas com efeito residual (fiprolex, max3, pulvex, coleiras carrapaticidas preventic, tea). No ambiente utilize produtos a base de amitraz (cuidado para o animal não lamber, use luvas para aplicar, é muito tóxico), pulverize o local semanalmente até desaparecer os parasitas. Após, a cada três meses ou sempre que encontrar parasitas no animal ou no ambiente. A maioria dos carrapatos (90%) estão no ambiente, portanto, shampoos, sabonetes, produtos de imersão não são eficazes no controle de parasitas porque só agem na hora do banho, não protegem o animal contra novas infestações.

Carrapatos transmitem hemoparasitoses (babesiose, erliquiose, anaplasmose) doenças que causam anemia intensa que leva o animal a morte se não for tratado a tempo. Não é preciso uma grande infestação, um único carrapato pode transmitir a doença se estiver contaminado com o parasita.  Sempre fique atento a febre esporádica, abatimento, falta de apetite, vômito ou diarreia, sangramentos, gengiva clara, podem ser sintomas de hemoparasitoses (doença do carrapato). Procure a veterinária imediatamente, não trate em casa, quanto antes iniciar o tratamento correto maiores são as chances do cão sobreviver. As pulgas transmitem verminose, por isso também é importante combatê-las.

 

 

86 Comments

  • Rafaela Posted 12 de janeiro de 2017 12:21 pm

    Bom dia… Tenho um filhote de Fox paulistinha de uns 45 a 50 dias.. ainda não começou o seu ciclo de vacinação… Peguei ele ontem… Ele estava se alimentando com ração Pedigree então fui comprar dela, chegando lá a moça me disse que a Finotrato era melhor,então comprei a Finotrato… No entanto não sabia que não podia trocar a ração bruscamente… E agora ele está com diarréia, comecei a fazer a troca gradualmente .. Ele vai melhorar ou preciso fazer mais alguma coisa?? Desde já agradeço!

    Responder
    • caoecia petshop Posted 12 de janeiro de 2017 1:12 pm

      Bom dia Rafaela. Nunca devemos mudar a ração de um filhote de forma brusca, a troca deve ser sempre gradativa. Aconselho usar um probiótico veterinário para ajudar a repor a flora intestinal, caso as fezes se tornem mais líquidas, apresente vômitos, abatimento e/ou não apresente melhora em 2 dias, consulte.

      Responder
  • samara Posted 12 de dezembro de 2015 6:55 pm

    Boa tarde estou com um filho de mais ou menos 35 dias.comprei de um homem na rua,não procurei se era vacinado nem a idade.
    No dia seguinte percebi que ele estava com diarreia, desanimado e sem fome.chamei o veterinário que me disse ser virose,passou remédios para ele mas disse que poucos sobrevive, não falou qual das viroses seria. Sera que esse filhote poderá se salvar? No dia seguinte ele já comeu bem, carne cozida a vapor para cães. O que pode me dizer

    Responder
    • caoecia petshop Posted 14 de dezembro de 2015 7:18 pm

      Boa tarde Samara. Existem muitas viroses que causam diarreia, a parvovirose, uma das mais graves, que leva o filhote a óbito em 5 dias, acredito que foi esta a suspeita. A coronavirose, sintomas mais brandos, geralmente autolimitante, mas pode ser grave em cães debilitados, a cinomose, também muito grave porque em uma outra fase pode causar lesão neurológica, muitas vezes, incompatível com a vida. Então é difícil fazer diagnóstico sem exames específicos.

      Responder
  • rosângela ferreira Posted 10 de dezembro de 2015 3:12 pm

    Tenho uma cadelinha poodle com 15 anos. Está muito debilitada, pois se encontra com hérnia de disco e bico de papagaio. Esta semana ela não consegue mais andar, mas sinto ela muito agitada rodando no chão. Será que ela esta sentindo dor? Estou dando a ela calmavet um calmante para poder tranquilizá-la, mas tem hora que parece não efeito.Peço uma ajuda do nome de um remédio para dor, pois já ouvi falar que o quê ela tem doi muito. Agradeço a atenção

    Responder
    • caoecia petshop Posted 10 de dezembro de 2015 6:30 pm

      Boa tarde Rosângela. Todo e qualquer medicamento prescrito exige sempre acompanhamento. Um cão de 15 anos precisa ser acompanhado sempre, com exame clínico e exames laboratoriais, porque é preciso avaliar a função renal e hepática. O fígado é responsável pela metabolização dos medicamentos e o rim pela excreção, caso ela apresente alteração nestes órgãos, com esta idade, muito provavelmente apresente, os medicamentos prescritos devem ter suas doses reajustadas e muitos não poderão ser utilizados. Hérnia de disco é uma alteração extremamente dolorosa, portanto, não espere, consulte sua cachorrinha e faça exames.

      Responder
  • Camile Posted 3 de dezembro de 2015 9:26 pm

    Olá…Tenho um Ilhasa de 7 anos.
    A dois anos ele vem apresentando um sintoma no olho que a veterinária dele diz que não produz mais a lágrima.
    Com este problema o olhinho dele sempre tem meleca verde e tenho que limpar a toda hora além disso é bem vermelho em volta.
    Ela me passou o colibri o TriSorb mas não vejo melhora.
    Tem dias que o olho está com lágrimas e tem dias que está bem seco.
    O que eu poderia usar?

    Responder
    • caoecia petshop Posted 4 de dezembro de 2015 11:31 am

      Bom dia Camile. Existem outros colírios mais eficientes para a ceratoconjuntivite seca, a pomada oftálmica veterinária chamada optimune ou um colírio a base de tacrolimus 0,03%, deve ser manipulado em farmácia de manipulação especializada, precisa de receita, converse com a sua veterinária sobre isso.

      Responder
  • Ana Cecília Winck Posted 23 de novembro de 2015 10:34 am

    Bom Dia!

    Temos um Basset Hound a dois anos, ele já é adulto, creio ter uns 5 anos (pois nós já somos a quarta família dele) quando o pegamos ele estava muito debilitado e cheio de problemas, graças a Deus ele está estabilizado, mas vira e mexe aparece algum problema, ultimamente ele tem tido bastante secreção e formação de remelas nos olhos, segundo a veterinária é devido a pouca produção de lágrima. Posso auxiliar na umectação com soro fisiológico ou lacrima plus?

    Obrigada.
    Ana

    Responder
    • caoecia petshop Posted 23 de novembro de 2015 11:14 am

      Bom dia Ana Cecília. A veterinária fez o teste de Schirmer, teste que mede a produção de lágrima, caso ele esteja com ceratoconjuntivite seca deve usar um colírio específico para isso todos os dias, deve ser tratado antes que ocorram problemas mais sérios que podem comprometer a visão. Até levar a sua veterinária use o Lacrima Plus três a quatro vezes ao dia, os colírios específicos, a frequência é menor.

      Responder
  • Carlos Azambuja Posted 20 de junho de 2015 5:16 pm

    Boa tarde! Estamos passando por uma verdadeira provação, desculpe a mensagem longa! Linda, nossa amada Lhasa Apso de 1 ano e 7,8kg, foi castrada nesta terça dia 16/06. Correu tudo bem com a cirurgia, e apesar da volta para casa meio dramática no mesmo dia (estava grogue e babando demais, efeitos da anestesia, peridural), no dia seguinte já estava bem, comendo e já ensaiando brincadeiras com a irmãzinha, que também foi castrada. No segundo dia já tínhamos que conter as duas para evitar excessos nas brincadeiras que poderiam prejudicar os pontos, apesar das roupinhas de proteção. Mas ontem à tarde, terceiro dia após a cirurgia, a Linda começou a ter espasmos musculares e sobressaltos cuja frequência aumentou até as 22:00, com o absurdo de espasmos de 6 em 6 segundos, continuamente, ate hoje cedo. Não conseguia dormir, simplesmente: se mexendo, se sobressaltando, tendo pequenos espasmos nas pernas (como se fosse se coçar) e na cabeça (como se ouvisse algo e se assustasse), mudando de posição na caminha, até se levantar, correr e tentar dormir em outro lugar — isso tudo se repetindo sem parar, a intervalos menores do que 10 segundos, durante toda a noite. Não chega a ser uma convulsão, porque ela não perde o controle, aparentemente, mas é uma agitação nervosa, sobressaltada, horrível. Ela foi ficando exausta, e nós ficamos alarmadíssimos e passamos a noite em claro. Demos água com açúcar e chá de camomila adoçado, sem sucesso. Ela bebeu água, urinou, evacuou à noite, normalmente, mas sem conseguir se aquietar para tirar nem uma soneca. Conseguimos fazer ela relaxar e dormir por alguns períodos de 5 a 10 minutos das 3 às 6 da manhã, acalmando-a um pouco com cafunés rápidos e contínuos atrás da orelha. Hoje cedo o veterinário a pegou aqui em casa e a deixou na clínica em observação. A suspeita é de reação ao antibiótico Duotrill (enrofloxacino, 50mg, 1x ao dia); o anti-inflamatório era o Ketoflex (cetoprofeno, 10mg, 1x ao dia); ele já trocou a medicação (Amoxicilina, deu injetável, e V-Cort), e receitou Gardenal (100mg, 1/4 de comprimido de 12 em 12h), que vamos dar agora. A Linda ainda está agitada, mas para quem não sabe que ela não dorme praticamente nada há mais de 16 horas, ela parece ativa, alegre e até brincalhona. Noto que a irmã, de 4,2kg, toma metade da dose dos dois primeiros medicamentos de pós-operatório, e não apresenta qualquer sintoma anormal, pelo contrário, está muitíssimo bem, e dorme bem também. À distância, sem ver a cadelinha, e obviamente sem compromisso, você por favor teria algo a dizer sobre o caso? Agradecemos de coração qualquer ideia, comentário ou sugestão!

    Responder
    • caoecia petshop Posted 20 de junho de 2015 5:33 pm

      Boa tarde Carlos. A enrofloxacina pode baixar o limiar convulsivo, ou seja não é indicada para cães que tenham convulsões. Nunca vi este tipo de reação em cães, espasmos musculares com a enrofloxacina, somente cães apresentarem convulsões com o medicamento, claro que pequenas convulsões, muitas vezes, iniciam com pequenos espasmos, na verdade são episódios pré-convulsivos. Caso sejam realmente convulsões, evite este antibiótico e qualquer outro medicamento que estimule convulsões e no futuro ela pode vir a ter problemas. Outra possibilidade é inquietação por incômodo, devido a dor, como se fossem pequenas fisgadas no local da cirurgia. Com a troca da medicação ela melhorou ? se melhorou realmente existe a possibilidade da enrofloxacina ter causado a reação. Espero ter ajudado.

      Responder
      • Carlos Azambuja Posted 20 de junho de 2015 11:56 pm

        Sua resposta ajudou muito, sim, como sempre! Realmente, a impressão é que é uma pré-convulsão, pois alguns espasmos parecem “choquezinhos”, puxões nos músculos das pernas, mas a maior parte deles na verdade são movimentos nervosamente agitados e “incompletos” mas bem coordenados, por exemplo: como se fosse para coçar a orelha ou coçar os olhos, como se fosse para se lamber, ou pequenas viradas de cabeça como se tivesse ouvido algo, etc., como “tiques” em uma quase contínua agitação nervosa. E ainda há os “sobressaltos” (levanta a cabeça ou todo o corpo depressa, como tivesse se assustado) e a inquietação de mudar de posição e de lugar a todo instante. Somando tudo, inquietação, sobressaltos, movimentos nervosos e espasmos, ela não consegue ficar parada nem por 5 segundos seguidos há quase 24 horas, a não ser junto da gente ou no colo, com muito “cafuné em alta velocidade” no pescoço — aí chega a ficar 10 ou até 15 minuto quieta, com a respiração um pouco irregular, mas dormindo, e aí acorda com um sobressalto (sem motivo externo). O veterinário confirmou que o antibiótico que ele receitou pode dar convulsões, mas cada cão reage de um jeito: a Nina, a irmã menor, não apresentou até agora o menor problema. A medicação da Linda já foi trocada (recebeu injetável, pela manhã, na clínica), e às 15:00 tomou 1/4 de comprimido de Gardenal 100mg, mas 4 horas depois não notamos melhora no quadro, então o veterinário mandou antecipar a segunda dose de Gardenal 100mg: mais 1/2 comprimido às 19:30! Ela está em casa, e quando anda mostra boa coordenação apesar de aparentar cansaço (justificado!), e comeu toda a refeição às 15:15, evacuou normalmente, está bebeu muita água (o veterinário avisou que ela beberia mais, mesmo). Já se passou quase uma hora e meia da segunda dose do Gardenal, e ela parece ter ficado um pouquinho mais quieta, então estamos ansiosos para ver logo ela cair no sono, mas por enquanto ainda tem alguma agitação. Se for, como parece, hipersensibilidade ao enrofloxacino, considerando que ela tomou 50mg/dia por 3 dias (e última dose ontem foi às 21:00), quantos dias será que levaria para ele ser completamente eliminado do organismo dela?

        Responder
        • caoecia petshop Posted 21 de junho de 2015 12:19 am

          Boa noite Carlos. Normalmente em 24 horas ele começa a perder o efeito, portanto, esta noite vai amenizar bastante. Acredito que amanhã você já poderá fazer uma redução gradativa da dose do gardenal e observar se os espasmos pré convulsivos param.

          Responder
          • Carlos Azambuja Posted 21 de junho de 2015 11:48 pm

            Graças a Deus, depois de quase 40 horas sem conseguir dormir, e com a gente já preocupado com sequelas neurológicas ou risco cardíaco, nesta noite a Linda conseguiu dormir relaxadamente por diversos períodos de 2 horas, até o meio da manhã, e sem precisar de fazer massagem-cafuné no pescoço), e a partir daí, está tirando cochilos ao longo do dia da forma como ela normalmente faz, junto com a irmã. Os sobressaltos acabaram, os tiques também, e só de vez em quando percebo uns 2 ou 3 pequenos espasmos nas pernas quando ela começa a dormir, sem ela acordar. Sua previsão, que nos deu alívio e esperança ontem, realmente se confirmou. Amanhã cedo o veterinário virá aqui para dar uma olhada nela e aplicar antibiótico injetável, mas ele já adiantou que o Gardenal deve continuar por mais “alguns dias”. Ela não ficou grogue nem inativa, apenas um pouquinho mais lenta e menos coordenada para algumas atividades (mas correu bem e várias vezes, brincando com a irmã, hoje). Neste momento, a Linda está completamente relaxada, dormindo com a cabeça sobre meu pé, do lado da irmã, enquanto digito esta mensagem. Que alívio: o prognóstico é bom! Muito obrigado mais uma vez pela atenção, pelas respostas rápidas, pela coragem de “dar a cara a tapa” respondendo a dúvidas complicadas à distância, pelo conhecimento e competência cada vez mais comprovados, e pelo apoio altruísta. Deus abençoe você(s)!

          • caoecia petshop Posted 22 de junho de 2015 4:51 pm

            Boa tarde Carlos. Que boas notícias, muito obrigada, que Deus abençoe a todos nós. Tenho animais de estimação e os considero como filhos e sei o quanto são importantes em nossas vidas, tento ajudar da melhor forma possível a todos. Muitas vezes não consigo por se tratar de problemas complexos que realmente necessitam de exames clínicos e laboratoriais e falar qualquer coisa só prejudicaria o próprio animal. Tenho certeza que ela vai se recuperar totalmente e a medicação, aos poucos vai ser retirada. Este antibiótico é muito utilizado, portanto, anote, para que ele não seja mais administrado e fique atento quanto a outros medicamentos que podem levar a quadros convulsivos.

  • Carlos Azambuja Posted 14 de junho de 2015 1:21 am

    Boa noite! Dúvida sobre vermífugo. Dei ontem à noite à minha Lhasa Apso de 1 ano e 7,5kg um comprimido de Drontal Plus 660mg (primeira dose; a segunda será daqui a 15 dias) — ela já tomou esse vermífugo antes, há 4 meses, sem problemas. Ela jantou logo depois de tomar o Drontal (21:00), mas vomitou tudo cerca de 3 horas mais tarde. Hoje cedo não quis a primeira refeição (08:00). Comeu bem o almoço (14:30) mas de novo vomitou toda a refeição 4 horas depois. E agora às 21:00 comeu pouquíssimo da refeição da noite (as refeições são as que ela já come há meses). Ela evacuou duas vezes, desde ontem à noite, um pouquinho mais mole, mas nada anormal, e sem vermes visíveis. Ela está alerta e brincalhona, mas claramente menos ativa. Tudo isso pode ser reação ao vermífugo? E se for, quanto tempo essa reação pode durar? Grato desde já.

    Responder
    • Carlos Azambuja Posted 14 de junho de 2015 1:48 am

      Só complementando: a cadelinha está bebendo água normalmente. E tem estado com a saúde perfeita, comendo, bebendo, evacuando e urinando normalmente, sem vômitos ou diarreias, há meses. Só ontem, 3 horas após dar o vermífugo, é que apareceram esses vômitos, depois de meses sem vomitar nada.

      Responder
    • caoecia petshop Posted 14 de junho de 2015 7:29 pm

      Boa tarde Carlos. Pode sim ter ocorrido uma reação a alguma substância do vermífugo, aconselho a mudar para outro vermífugo na segunda administração. Normalmente os sintomas duram 24h, caso persistam procure o seu veterinário.

      Responder
      • Carlos Azambuja Posted 14 de junho de 2015 8:30 pm

        Obrigado pela resposta! Acho que você acertou na mosca, pois realmente ontem à noite, 23 horas após administrar o vermífugo, a cadelinha fez mais uma evacuação ainda um pouco pastosa, e logo em seguida virou outra! Imediatamente aprontou a maior correria com a irmã, brincando com qualquer coisa que aparecesse na frente com a vivacidade de antes do vermífugo, e até pediu comida, mas dei pouca, para não sobrecarregá-la. Talvez ela tenha passado as 24 horas com um pouco de cólica (ou náusea), apesar de em vários momentos brincar e se mostrar razoavelmente bem, mas, enfim, o alívio imediato que ela demonstrou após essa evacuação de ontem à noite foi notável. Aí, dormiu bem, e hoje comeu um pouco menos do que seu normal, mas sem mais vômitos, e continua muito mais alegre e ativa. Hoje ela parece muito bem, e amanhã vamos monitorá-la também com cuidado, pois na próxima terça-feira, ela passará pela castração, e já estamos com tudo preparado em casa (vão ser castradas ela e a irmã)… Se hoje ela ainda tivesse algum sintoma estranho, penso que o veterinário teria que desmarcar a cirurgia!

        Responder
        • caoecia petshop Posted 14 de junho de 2015 10:27 pm

          Disponha sempre Carlos. Que bom que ela está melhor. Realmente é preciso que ela esteja totalmente saudável e sem sintomas para fazer o procedimento cirúrgico. Observe e qualquer alteração comunique o seu veterinário.

          Responder
  • Carlos Azambuja Posted 9 de junho de 2015 6:58 pm

    Pergunta sobre castração. Minha Lhasa Apso Linda iniciou seu primeiro ciclo estral no começo de janeiro (primeiro “sanguinho” visto em 10 de janeiro). Queremos castrá-la agora, ao completar 1 ano (20 de junho) mas temos receio de que fique muito perto do próximo cio, que, teoricamente, seria já no início de julho, considerando o período médio padrão de 6 meses entre os cios. Isso poderia fazer mal para ela? Até quão perto do início previsto do próximo cio se poderia realizar a castração? Isto é, se ela ainda não mostrou corrimento (proestro), mesmo estando bem perto do início (esperado) do próximo cio, ela ainda pode ser castrada sem problemas?

    Responder
    • caoecia petshop Posted 9 de junho de 2015 7:23 pm

      Boa tarde Carlos. Realmente o ideal é no mínimo 30 dias antes do próximo cio, mas como ela só teve um cio, não sabemos se ela vai ter o próximo exatamente com 6 meses, então fica complicado prever. Quanto mais próximo do cio, maior é o risco de sangramento, pode ser feito mas existe este problema.

      Responder
      • Carlos Azambuja Posted 9 de junho de 2015 8:33 pm

        Obrigado pela resposta rápida! O risco de sangramento ao qual você se refere é quanto ao cio (o sangramento do proestro) chegar antes da data marcada da cirurgia de castração, ou é quanto a algum problema de hemorragia durante o procedimento cirúrgico ou o pós-operatório (pela possibilidade de a cadelinha já estar com os órgãos internos mais inchados, prestes a entrar no cio)?

        Responder
        • caoecia petshop Posted 9 de junho de 2015 10:10 pm

          Disponha sempre Carlos. Não aconselho a fazer cirurgia próximo ao cio devido ao risco de hemorragia durante o procedimento cirúrgico ser maior nesta fase.

          Responder
  • Carlos Azambuja Posted 21 de maio de 2015 2:10 am

    Boa noite! Não queria fazer tantas perguntas seguidas, mas estamos preocupados aqui em casa. Descobrimos que nossa Lhasa Apso Linda, de 11 meses, engoliu um lacinho de por na cabeça (sumiu ontem mas esquecemos dele)! Ela não teve qualquer comportamento anormal, nem prisão de ventre, nem perda de apetite, e só percebemos o que aconteceu quando o lacinho saiu nas fezes, agora à noite, dando aquele susto na gente! Para piorar, minha esposa está há 3 semanas preocupada porque perdeu uma agulha de costura e não conseguiu achá-la até hoje. Vendo como o lacinho “transitou” por dentro da Linda sem ela mostrar qualquer sintoma para nós, agora estamos cismados: será que se a Linda tivesse engolido uma agulha há tanto tempo assim, seria possível ela ficar também assintomática, apesar das lesões que certamente haveria?

    Responder
    • caoecia petshop Posted 21 de maio de 2015 9:33 am

      Bom dia Carlos. Ingerir corpos estranhos é muito comum e perigoso em filhotes, devemos sempre ter muito cuidado com tudo que fica no ambiente. Difícil dizer, depende muito de como era a agulha, tamanho, se estava com a linha, normalmente as agulhas ficam presas no início do trato gastrointestinal, mas na medicina não existe regra e sim muitas exceções, aconselho a observar possíveis sintomas, como dor abdominal, ou realmente investigar, fazendo um raio X do trato gastrointestinal.

      Responder
      • Carlos Azambuja Posted 23 de maio de 2015 3:44 am

        Obrigado pela resposta. O pior é que, em parte por causa do receio de pequenos objetos caídos, mandamos passar aspirador de pó na casa toda pelo menos uma vez por semana; a agulha pode há muitos dias já ter ido para o lixo sem percebermos. Mas durante essas semanas em que a agulha esteve sumida, a Linda parece ter tido o melhor apetite de sua vida (passou a 7,7kg, com 11 meses de idade — o veterinário mandou fazer mais dieta!). Também parece estar sendo o período mais ativo dela: brinca demais e com tudo e adora “roubar” roupas e papéis (exemplo: calçar meias na frente dela é impossível para minha esposa; a mim, porém, ela respeita mais), pula muito, se contorce toda nas brincadeira, especialmente com a irmã, corre feito doida pela casa (conosco, brincando de pegador com a irmã ou até sozinha)… Enfim, não tem qualquer sinal de dor ou desconforto. Ao escovar as duas, sempre checamos a pele de todo o corpo para ver se não há inchaços, nódulos ou regiões doloridas. E sempre conferimos fezes e urina: tudo ok, colorações e texturas normais. Por tudo isso não investigamos mais, pois parece impossível que ela pudesse ter agulha dentro do trato digestivo e viver assim tão bem e ativa! Escrevi por causa do susto do lacinho engolido, mas acho que a agulha traria sintomas muito perceptíveis. Portanto, acho que, por enquanto pelo menos, não vamos mexer com radiografias. Apenas continuaremos atentos. Grato pela resposta!

        Responder
        • caoecia petshop Posted 23 de maio de 2015 11:04 am

          Bom dia Carlos. Realmente acredito que ela não tenha ingerido a agulha, mas foi bom para servir de alerta, filhotes são extremamente curiosos e adoram colocar tudo na boca, todo cuidado é pouco, com objetos, tomadas, fios, o ambiente deve ser sempre monitorado quanto a possíveis perigos. Continue sempre observando e qualquer coisa consulte com o seu veterinário.

          Responder
  • Carlos Azambuja Posted 18 de maio de 2015 5:10 pm

    Boa tarde! As nossas duas Lhasa Apso de 11 meses de idade, Linda e Nina, são irmãs mas diferentes em quase tudo, como já disse antes. Hoje a dúvida é sobre o pós-cio. O estro da Linda terminou no começo de fevereiro (primeiro sangramento foi 20 dias antes), com o comportamento dela voltando totalmente ao normal. Já o estro da Nina terminou, aparentemente, no começo de abril (primeiro sangramento 25 dias antes), mas a mudança de comportamento foi menos clara. E até hoje ela tem umas 2 ou 3 sessões diárias de “taradice” total, “cobrindo” furiosamente um macaco de pelúcia que ela adora. Ela não está agressiva conosco: abanando o rabinho, deixa pegarmos o boneco a qualquer momento, mas se a irmã se aproxima do macacão nos momentos de taradice, a Nina vira uma ferinha. Fora desses momentos específicos, ela é carinhosa e brincalhona com a irmã (e a segue por toda a parte), e também brinca com outros brinquedos e com o próprio macacão de forma “normal”. Mas nessas 2 ou 3 sessões diárias, seu comportamento é nitidamente sexual, e quase obsessivo: ela chega a ficar meia hora quase direto “cobrindo” o macacão, alternando rapidamente com mordidas e brincadeiras comuns nele, e tudo com vários latidos e rosnados para o próprio boneco, até parar, bem cansada. É até engraçado, mas é muito diferente do comportamento tranquilo da Linda e não me parece normal ­— 1 mês e meio após o fim do estro?! Haveria motivo para preocupação?

    Responder
    • caoecia petshop Posted 18 de maio de 2015 5:47 pm

      Boa tarde Carlos. Algumas cachorras tem este comportamento de montar em bonecos, independente da proximidade ou não do cio, fazem disso um hábito, outras fazem isso no período fértil, portanto, isso pode sim se tornar um problema, devido a estarem mais agressivas neste período. Existe também outro problema que é a gravidez psicológica, normalmente ocorre após o cio, onde há o acúmulo de leite nas mamas e as fêmeas passam a adotar bonecos ou objetos como se fossem filhotes, passam a protegê-lo e não deixam que ninguém se aproxime, ficam muito agressivas. Este problema é um pouco mais complicado devido ao acúmulo de leite que pode levar a mamites (inflamação da mama) e futuramente neoplasias mamárias. Para todos estes problemas só existe uma solução a castração.

      Responder
      • Carlos Azambuja Posted 18 de maio de 2015 11:14 pm

        Obrigado pela resposta, ficamos mais tranquilos!
        Vigiamos as mamas das duas: desincharam em 2 semanas após o cio de cada uma, e permanecem “magrinhas”.
        A Nina, como eu disse, só é agressiva com irmã, conosco não, e só nos momentos em que está “taradinha” com seu boneco. Fora isso, age normalmente, brinca bastante e é bem delicada com a irmã (chama para brincar de luta com patadinhas leves ao invés de ir mordendo direto, etc.). Portanto, pelo que você disse, acho que deve ser uma idiossicrasia dela, mesmo. Nós vamos castrar as duas, sim, para evitar câncer e outras doenças, mas decidimos esperar completarem 12 meses de idade (que já estão aí mesmo…). Grato mais uma vez!

        Responder
        • caoecia petshop Posted 19 de maio de 2015 9:47 am

          Bom dia Carlos. Disponha sempre. A castração só traz benefícios, quanto mais precoce melhor, evita em mais de 90% a probabilidade do aparecimento de tumores de mama se realizada antes do primeiro cio, a medida que o animal cresce o efeito protetor reduz mas ainda evita. Além de evitar as alterações de temperamento causadas pelos hormônios no período do cio.

          Responder
  • Carlos Azambuja Posted 3 de maio de 2015 5:31 pm

    Tenho duas Lhasa Apso, irmãs de 10 meses e meio. Linda, a maior, é muito vigorosa e “fazedora de arte”, mas extremamente mansa, deixando tirar qualquer coisa de dentro de sua boca sem agressividade (ela tenta esconder o objeto na boca ou travar um pouco as mandíbulas, mas é só, e ela leva tudo na brincadeira), e isso já nos ajudou várias vezes com objetos perigosos que ela pegou. Mas a Nina, a menor, que veio para nós há 2 meses e meio, apesar de delicada e extremamente carinhosa, de um mês para cá sempre vira uma ferinha irreconhecível quando se tem que tirar algo de sua boca, chegando a morder pra valer. Eu considero esse comportamento inaceitável, porisso mesmo treinei a Linda desde pequena, e deu certo, mas a Nina já veio com 8 meses para cá e está difícil mudar isso nela (outras coisas, como xixi e cocô, aprendeu direitinho). Como proceder para educá-la, agora, a deixar eu ou minha esposa tirar objetos de sua boca sem tanta hostilidade da parte dela? Sei que o problema é mais de adestramento do que veterinário, mas se você tiver alguma sugestão, será ótimo!

    Responder
    • caoecia petshop Posted 3 de maio de 2015 8:07 pm

      Boa tarde Carlos. Uma sugestão é, todas as vêzes que ela rosnar e tentar morder você deve repreender com um não firme e forte e após, com a palavra solta, e todas as vêzes que ela parar e soltar o objeto elogie e dê um petisco, outra forma é usar um jornal ou uma revista, bata no chão para assustar, ou agite uma lata com pedras, algo que faça muito barulho, sempre que ela rosnar ou morder, para que ela associe o hábito com o susto, assim que soltar elogie e dê o petisco. Com certeza pode demorar, mas insistir e persistir é o segredo do adestramento. Espero ter ajudado.

      Responder
      • Carlos Azambuja Posted 18 de maio de 2015 5:17 pm

        Funcionou, obrigado pelas dicas! A repreensão em voz séria e baixa deu certo com algumas coisas. Com outras coisas que ela pareceu ter gostado demais (por exemplo: um chumaço de algodão ou uma folhinha seca, hehe), balançar uma latinha com moedas dentro reforçou a repreensão, e ela deixou tirar o objeto da boca. Além disso, passei a escovar os dentes dela dia sim, dia não, e isso parece estar acostumando ela à manipulação da boca. Ela agora está muitíssimo menos agressiva, muito grato!

        Responder
        • caoecia petshop Posted 18 de maio de 2015 5:47 pm

          Que bom Carlos. Fico muito feliz em poder ajudar, disponha sempre.

          Responder
  • Carlos Azambuja Posted 25 de março de 2015 7:42 pm

    Boa tarde! Nossas duas Lhasa Apso, com 9 meses cada, reaprenderam a comer ração pura, mas adoram alguns alimentos que usamos como lanches entre as refeições ou como prêmios, no lugar de petiscos industriais, por serem mais saudáveis, por exemplo: cenoura e batata-doce (cozidas no vapor), alface, maçã (sem sementes nem talo), e o mais desejado, o ovo (cozido 5 minutos em água). Em geral já sabemos quanto dar desses alimentos para não provocar desarranjos intestinais nem tirar o apetite para as 3 refeições diárias de ração, mas ainda temos dúvidas, do ponto de vista nutricional: que quantidade de maçã e que quantidade de ovo cozido podemos dar por semana (ou por dia) para elas?

    Responder
    • caoecia petshop Posted 25 de março de 2015 9:53 pm

      Boa tarde Carlos. Sempre tenho muito medo de começar a fazer isso, dar petiscos caseiros, porque elas acostumam com eles, sentem o cheiro, e sempre que você estiver comendo elas vão querer. Quanto às frutas, o maior problema são os agrotóxicos, exceto as frutas cítricas e uvas que não devem ser dadas. A quantidade deve ser esporadicamente, duas vezes por semana, já o ovo uma vez por semana, mas claro, ao menor sinal de alteração em fezes, o melhor é não dar mais. Prefiro sempre os petiscos caninos, evita problemas no futuro, claro que eles também podem causar alterações gastrointestinais, mas elas não vão ficar pedindo quando você estiver fazendo as refeições.

      Responder
      • Carlos Azambuja Posted 25 de março de 2015 11:40 pm

        Não importa o que se faça na cozinha, as filhotas daqui de casa sempre se interessam a princípio, mas logo vão brincar em outra parte. Acho que é porque sempre que vamos dar petiscos, fazemos muito alarde e elas já entenderam que é coisa especial para horas especiais bem anunciadas; imagino que isso diminui a expectativa delas quanto ao que acontece na cozinha. Mas não damos só petiscos caseiros, damos petiscos comerciais também: geralmente da Doglicious, da Purina, biscoitos Dog Chow (na verdade, alternamos entre eles todos, para maximizar a variedade e minimizar possíveis efeitos nocivos). E damos todos os petiscos, caseiros e comerciais, espaçados ao longo do dia e em pequenas quantidades: somando tudo, 10 a 20g por dia, por cadelinha. Não dá para ficar sem algum tipo de petisco; mesmo sendo filhotes ainda, acho que suportam com razoável paciência desembolo de pelo, iodo em feridinhas, limpeza de olho e bigode e outras coisas chatas porque sabem que terão recompensa. Quanto ao ovo, que bom, já dosávamos a 1 por semana para cada, dado aos poucos ao longo dos dias. Agora, esse problema dos agrotóxicos é sério e tinha escapado às nossas considerações! Se não pudermos comprar orgânicos ($!), realmente teremos que mudar isso. Muito grato pelo aviso! Já li que a cenoura geralmente tem menos agrotóxico residual, mas ainda tem; será que também devemos tirá-la da dieta? É o que mais apreciam, depois do ovo!

        Responder
        • caoecia petshop Posted 26 de março de 2015 1:03 am

          Boa noite Carlos. Que bom que elas entendem quando é a hora do petisco, não é comum, sinal que você está educando muito bem elas. Com certeza, recompensar com petiscos é importante para estimular a fazer as coisas que queremos. Lavar muito bem os alimentos e ficar atento a alterações gastrointestinais são medidas importantes para evitar problemas. Em relação à cenoura, dificil saber o quanto de agrotóxicos os alimentos possuem e se serão nocivos à saúde, com certeza os orgânicos são sempre mais saudáveis.

          Responder
          • Carlos Azambuja Posted 29 de março de 2015 3:48 am

            Você tem toda a razão! Mesmo que um relatório da Anvisa diga, por exemplo, que a cenoura está menos contaminada em determinado ano, isso é por amostragem em todo o Brasil, e por melhor que sejam as estatísticas, não há certeza de que aquela cenoura específica que comprei está limpa. Eu já sabia disso, mas não tinha pensado nisso com relação às filhotas, logo elas que certamente são mais sensíveis! Bom, petiscos comerciais de qualidade também não são tão baratos, então acho que vale a pena tentar alterná-los com itens orgânicos de que as duas cadelinhas gostem e que consigamos achar. Afinal, damos em pequenas quantidades, não vai pesar tanto no bolso.
            Agora, um esclarecimento: não tenho a pretensão de ser bom educador de cães, não, hehe! Esse comportamento relativamente controlado da Linda e até da novata Nina em relação à comida e petiscos vem como bônus colateral do treinamento mais básico que pode haver: para acertarem xixi e cocô nos sanitários (PipiDollys), por reforço positivo. A cada acerto da Linda, antes dos 3 meses de idade (e agora da novata Nina, já com 9 meses), fazíamos um verdadeiro excesso de festa, elogios sonoros, carinhos, e dávamos os petiscos com muito alarde. O resultado foi 100% com a Linda (ainda lá antes dos 4 meses) e está sendo agora com a Nina, também. Mas, enfim, além da associação pretendida — xixi e cocô no sanitário —, elas acabaram associando também os petiscos ao “alarde festivo”. Sem alarde, elas permanecem alertas e até desconfiadas (o olhar demonstra) quando mexemos em alimentos, mas geralmente ficam quietas (exceções: ovo e batata-doce, cozidos). Também o fato de eu e minha esposa nos divertirmos falando tudo com elas, repetindo todo dia, em todas as ocasiões, sempre às mesmas horas (“agora, a COMIDINHA!”, “meninas, quem quer PASSEAR?”, “êba, tá na hora do PETISCO”, etc.) ajuda a “organizar” um pouco suas pequenas mentes. Porém, depois que é anunciado o petisco, o passeio, etc., aí, sim, pode ter início um descontrole frenético de alegria. Porisso, também passei a só dar o petisco ao obedecerem ao meu “quietinha” (= “senta”), o que é lindo de se ver — esperam sentadinhas e atentas —, e uma coisa simples dessas acho que ajuda muito no autocontrole, assim como passear sem deixá-las puxar a guia. Mas só ensinei coisas práticas e muito básicas; as duas não sabem nada de manobras e truques de adestramento, nadinha! E ainda não descobrimos como controlá-las quando chegam visitas aqui em casa, pois ficam enlouquecidas de alegria…
            Mais uma vez agradeço muito o alerta sobre os agrotóxicos, muito mesmo! Tenho certeza de que, assim com foi super-útil para mim, também foi para muita gente que lê o blog. Até a próxima!

          • caoecia petshop Posted 29 de março de 2015 6:24 pm

            Boa tarde Carlos. Fico muito feliz em pode ajudar. Os petiscos realmente são muito importantes para que possamos ajudar os cães a entender o que é certo, serve sempre como incentivo, recompensa, ajuda muito no aprendizado, a meu ver é sempre a melhor forma de ensinar. Prefiro sempre os petiscos comerciais, devem ser escolhidos de acordo com o paladar e não devem causar problemas gastrointestinais. Realmente não gosto de utilizar nossos alimentos, independente que sejam saudáveis ou não.

  • Carlos Azambuja Posted 15 de março de 2015 4:33 pm

    Boa tarde! Linda e Nina, minhas duas Lhasa Apso, irmãs de 8 meses, têm se comportado de forma meio estranha. Linda veio para nós com menos de 2 meses, teve seu primeiro cio no final do 6º mês, é grande, calma e pesa 7kg. Nina chegou para nós há um mês apenas, aparentemente ainda não teve seu primeiro cio, é miúda, hiperativa e pesa 3,8kg. Após 2 semanas de certa tensão e muita ciumeira, as duas gradualmente foram se ajustando e agora já se dão muito bem, comendo juntas, dormindo juntas, brincando muito uma com a outra e demonstrando quase nenhum ciúme de mim e de minha esposa (fazemos tudo igual para as duas, mas sempre ostensivamente começando pela Linda). O problema é que, no meio das brincadeiras das duas, a Linda de vez em quando fica insistindo muito em fazer movimentos de cobertura típicos de um macho sobre a Nina (que escapole, foge, se esconde, corre de novo — pra ela é tudo brincadeira). E a Nina, por sua vez, de vez em quando fica erguendo a perninha traseira como um macho faria para urinar, e nessa posição se roçando no corpo ou na cara da Linda. Não é o tempo todo que fazem isso, e só intervimos quando percebemos que uma delas realmente quer sossego. Considerando a idade e a situação de ambas, esses dois comportamentos, da Linda e da Nina, de cunho instintivo/sexual, são normais?

    Responder
    • caoecia petshop Posted 15 de março de 2015 11:52 pm

      Boa noite Carlos. Muito bom saber que elas se adaptaram e agora convivem sem maiores problemas. Este comportamento é sim muito comum principalmente quando uma das fêmeas está no cio ou próximo a ele. Muitas vezes quando ocorre algum tipo de corrimento pela vulva, não necessariamente cio, também pode estimular este tipo de comportamento.

      Responder
      • Carlos Azambuja Posted 16 de março de 2015 3:34 am

        Que bom que é um comportamento normal! Eu já suspeitava, mas tinha que tirar a dúvida. Como parece que a Nina, a menorzinha, não teve seu primeiro cio ainda (se teve, pode ter sido daqueles imperceptíveis), o mais provável é que ela é que esteja “provocantemente” perto do cio, pois a Linda teve o dela em janeiro, e as duas já estão a uma semana de completar 9 meses. Mais uma vez, muito grato.

        Responder
        • caoecia petshop Posted 16 de março de 2015 5:05 pm

          Boa tarde Carlos. Disponha sempre.

          Responder
          • Carlos Azambuja Posted 17 de março de 2015 7:24 pm

            Só complementando, as duas estão se dando realmente muito bem, ambas muito ativas, à vontade, alegres e com pouco ciúme. Brincando de pegador e, **ao mesmo tempo**, de cabo-de-guerra com algum brinquedo, fazem uma farra espetacular, divertidíssima! E mais uma vez você se mostrou certeira: ontem à noite começou o sanguinho do primeiro proestro da Nina. Grato, e abraços.

          • caoecia petshop Posted 17 de março de 2015 11:40 pm

            Boa noite Carlos. Que bom, esta convivência vai ser ótima para elas, vai evitar muitos problemas no futuro. Disponha sempre que precisar, fico muito feliz em poder ajudar.

  • Carlos Azambuja Posted 4 de março de 2015 3:10 am

    Boa noite! Minhas duas Lhasa Apso de 8 meses adoram brincar com o Cordosso (produto feito com osso natural, do tipo “ossodu”). O produto é para distrair e ajudar na remoção do tártaro, e é anunciado como “não comestível”, mas uma das cadelas consegue roer por dentro do osso, e percebi que ela ingeriu um pouco das partículas roídas. No dia seguinte, evacuação em parte líquida (mas só uma vez), e um pouco de flatulência fétida. Escondi temporariamente o Cordosso, e pergunto, agradecendo a resposta antecipadamente: esse tipo de produto feito com osso natural processado pode causar essas reações?

    Responder
    • caoecia petshop Posted 4 de março de 2015 11:36 am

      Bom dia Carlos. Pode sim, não gosto destes produtos a base de osso processado ou aqueles defumados, vários cães apresentam problemas gastrointestinais, além de serem muito duros, podendo causar fraturas em dentes. Prefiro aqueles a base de corinho, sempre os sem corantes, mas mesmo estes devem ser descartados quando estiverem sujos ou moles. Quanto a ajudarem na remoção do tártaro, infelizmente, muito pouco, uma sugestão para evitar o tártaro, utilize a pasta orozyme, elá é muito boa, apresenta em sua composição enzimas que ajudam na remoção parcial e evitam o tártaro, o melhor, é que não é necessário a escovação, somente passar a pasta nos dentes, mas é claro se conseguir escovar melhor ainda.

      Responder
      • Carlos Azambuja Posted 6 de março de 2015 3:18 am

        Obrigado pelas dicas! Escondi os tais “ossos” e no dia seguinte já estava normalizado com as cadelas. Demos os ossos duros por receio de que os de couro mastigável, que antes dávamos, pudessem fazer mal… Melhor então voltar para esses mastigáveis, porque de vez em quando elas precisam mesmo de algo para mastigar. Achei muito interessante esse dentifrício Orozyme que você citou; parece um pouco caro, mas pelo jeito vale a pena!

        Responder
        • caoecia petshop Posted 6 de março de 2015 1:02 pm

          Bom dia Carlos. Realmente existem duas pastas de dentes para cães que atuam evitando e removendo a placa bacteriana, a C.E.T. da virbac e a Orozyme, gosto mais da segunda, justamente pelo fato de não precisar muito da escovação. As outras pastas dependem muito da escovação correta para agir neste sentido ou seja dependem da remoção mecânica.

          Responder
  • Carlos Azambuja Posted 20 de fevereiro de 2015 5:36 pm

    Assunto: convivência de dois cães, um deles recém-chegado.
    Tenho até vergonha de recorrer tanto ao blog Cão e Cia Natal, mas espero que suas orientações e respostas (sempre prudentes e eficazes) às minhas dúvidas ajudem a outros leitores também, assim como suas respostas às perguntas de outros me ajudaram muito até agora (leio o blog inteiro!). Mas se eu passar da conta, avise-me, por favor.
    O problema é que aqui em casa agora são duas Lhasa Apso: a Linda, de 8 meses, há 6 meses conosco, e com 7,2kg, e a Nina, irmãzinha dela, que chegou há 4 dias, e tem metade do peso e do tamanho (sem exagero, a diferença é dramática). Nina, que já sofreu um pouco com doenças e solidão, é muito desinibida, intrometida até, e hiperativa, e tenta insistentemente brincar com a Linda (sobe nela, rola na frente dela, etc.). Mas a Linda está tímida e ressabiada, até desiste de uma brincadeira conosco quando a outra se aproxima, vigia a outra o tempo todo e não gosta do assédio brincalhão da novata (ontem à noite parece que começou a corresponder às brincadeiras: aprontaram uma correria maluca pela casa, cada hora uma perseguindo a outra; mas em geral a Linda se retrai). Ambas são sensíveis e têm ciúme, mas o da Linda é mais indignado e tristonho. Eu e minha esposa procuramos fazer tudo igual para as duas, por menor que seja o afago, a palavra carinhosa ou o mini-petisco, mas sempre começando pela Linda. Até as coisas aborrecidas para elas, como escovação, e limpeza dos olhinhos, começamos pela Linda e falamos com ela: “agora é a vez da Nina” (se não avisarmos, a Linda avança na outra). Evitamos pegar uma delas no colo com a outra por perto (a Linda pula para morder a outra, mas avisando-a antes, costuma deixar). Damos comida separadamente, para medir a alimentação de cada uma (a Linda está em reeducação alimentar). Estimulamos a Linda a se impor um pouco mais, mas as separamos quando há excesso de assédio da Nina. Estamos experimentando os BioFlorais para cães (“Aceitando um novo animal” para a Linda, e “Adaptação a um novo lar” para a Nina), mas é cedo para esperar algum resultado (e talvez tenhamos que usar outros, como “Hiperatividade” e “Depressão”, para cada uma). E fazemos 2 passeios curtos diários, um com as duas juntas, outro com elas separadas (para nós que as conduzimos, então, são 3 passeios). Mas a Linda continua tristinha e meio letárgica, e a Nina continua hiperativa e talvez ansiosa demais. O veterinário disse que temos que dar tempo ao tempo, e evitar mantê-las separadas. Mas gostaríamos de mais conselhos, se houver, para facilitar a adaptação dessas duas irmãzinhas à sua nova realidade. Agradeço antecipadamente.

    Responder
    • caoecia petshop Posted 20 de fevereiro de 2015 7:04 pm

      Boa tarde Carlos. Que bom que gosta do blog, escreva sempre que quiser e precisar, fico feliz em poder ajudar. Com certeza Linda sente mais a mudança porque foi uma invasão do espaço e da atenção que antes era somente dela. A adaptação é muito lenta, seu veterinário tem razão, deixá-las o máximo de tempo juntas é o ideal, mas é claro que o fato de uma ser mais hiperativa, pode causar uma certa irritação naquela que é mais quieta. Sempre a atenção maior deve ser para Linda, ela precisa acreditar que apesar da invasão, ela continua sendo a preferida, até ela entender que Nina veio para fazer companhia e não para tirar o que sempre foi dela. Florais ajudam mas o processo é muito lento. Socializar cães desde pequenos ajuda muito quando eles precisam conviver com outros, por isso que sempre aconselho a criar dois juntos, evita muitos problemas. O meu conselho é paciência, saber interpretar o comportamento de Linda para poder dar mais atenção sempre que ela se sentir triste com a presença de Nina, sei que é difícil e muito lento, mas a persistência será recompensada. O importante também é observar o limite dela, quando a convivência começar a se tornar complicada, a ponto dela não querer comer ou brincar, neste caso será preciso reavaliar se realmente existe benefício.

      Responder
      • Carlos Azambuja Posted 20 de fevereiro de 2015 11:05 pm

        Muito obrigado pela orientação! Desfazer da pequena hiperativa Nina não é mais uma opção, tememos que ela não seja bem tratada pelo seu temperamento, ela já mudou mais de uma vez, e já gostamos dessa mirradinha (microscópica perto da Linda, e são da mesma ninhada). E ela parece que nunca foi tão feliz como nestes 5 dias aqui em casa. Nós a recebemos doada pela dona anterior, amiga da minha esposa. Ela vai se mudar, mas também compreendeu que não tinha paciência para um animalzinho desse tipo.
        A Linda lentamente está começando a brincar com a outra, já ensaiou por as patas sobre a Nina (o que a Nina tenta constantemente com a Linda), disputam brinquedos e a Linda muitas vezes está vencendo agora, acho que hoje começou realmente a melhorar, especialmente após o passeio da tarde (depois de eu ter escrito a mensagem anterior). Atenção, damos para as duas, pois ambas parecem carentes (a Linda, por ter seu espaço invadido, e a outra, por ter passado por um bocado de solidão com a dona anterior, nossa amiga), mas, como você aconselhou, tudo é antes para a Linda, depois para a outra (eu até falo isso em voz alta, e gesticulo para ficar bem claro para a Linda que ela tem a primazia, e acho que ela está entendendo). Quando o assédio da Nina for muito constante, continuarei a separá-las um pouco, apenas para a Linda descansar (é uma gordinha dorminhoca), mas hoje, após o passeio, as duas dormiram juntinhas, como duas irmãs que são. Tenho que me apegar ao seu conselho e ao do veterinário delas: dar tempo ao tempo e ter paciência. Acho que vai dar certo.
        Só mais uma perguntinha: e o chá de camomila, sem açúcar, posso dar para a Nina à noite por uns 2 ou 3 dias, até comprar o floral “Hiperatividade”?

        Responder
        • caoecia petshop Posted 20 de fevereiro de 2015 11:49 pm

          Boa noite Carlos. Acredito que a hiperatividade de de Nina seja devido ao fato dela ter sido criada mais presa, longe das pessoas e outros animais, quando ela perceber que a sua rotina vai ser a convivência, ela vai diminuir o ritmo e ficar mais calma. A melhor coisa para acalmar cães hiperativos e fazer eles ficarem cansados, jogar bolinhas, fazer eles correrem muito. Que bom que resolveram adotar Nina, achei que fosse temporário, com o tempo tenho certeza

          Responder
        • caoecia petshop Posted 20 de fevereiro de 2015 11:55 pm

          Não completei a primeira mensagem, enviei sem querer, mas terminando. Como estava dizendo tenho certeza que Nina vai fazer muito bem a Linda e futuramente serão ótimas companheiras e muitos problemas serão resolvidos. Quanto ao chá de camomila, sinceramente não sei se funciona, não conheço muito sobre fitoterapia, em pequena quantidade acho que não tem problema.

          Responder
          • Carlos Azambuja Posted 21 de fevereiro de 2015 7:01 pm

            Não dá para desfazer da Nina, pois já gostamos muito dela e ela de nós — uma misturinha de dengo e sapequice, de obediência e atrevimento. Aqui ela está bem feliz, nem parece que chegou há 5 dias só, e, se já chegou muito carinhosa, a cada dia fica mais obediente também. E a presença dela é boa para a Linda, como companhia e estímulo para exercícios, pois a Linda é um pouco preguiçosa. De ontem para hoje, a adaptação das duas se acelerou muito: tanto uma quanto a outra passaram a se procurar, cambaleando de sono, para dormir juntas; já estão brincando de cabo-de-guerra com os brinquedos, ao invés de simplesmente tomá-los uma da outra; a Linda está parecendo bem mais à vontade, mais desinibida com a outra por perto; e até a hiperatividade e o assédio da Nina estão diminuindo (hoje é o primeiro dia que a vi dormir 2 horas seguidas, à tarde!). Suas palavras na última mensagem parecem proféticas, já estão começando a se realizar… Por fim, levamos ambas hoje ao veterinário (que é muito bom, mas se fosse em Natal, eu saberia exatamente aonde ir!), e está tudo ok com as duas: Linda só precisa emagrecer um pouco mais, e Nina já começou com o floral para hiperatividade. Muito obrigado pelas orientações e apoio (proféticos, até), e até a próxima!

          • caoecia petshop Posted 21 de fevereiro de 2015 9:51 pm

            Boa noite Carlos. Que notícias boas, tenho certeza que elas serão , amigas inseparáveis logo e todos os problemas serão resolvidos. Fico muito feliz em poder ajudar sempre que precisar.

  • Carlos Azambuja Posted 15 de fevereiro de 2015 6:07 pm

    Boa tarde. Linda, nossa Lhasa Apso de quase 8 meses e 7,3kg, não quer comer ração. Sob orientação do veterinário, que tem muita experiência e competência, entramos no esquema de cortar lanchinhos e oferecer apenas ração (Cibau, às vezes com DuDogs ralado, ambos Superpremium), 3 vezes por dia, deixando disponível por meia hora por vez, tudo para forçá-la a comer, mas isso já tem quase 4 dias, nos quais ela comeu pouquíssimo, umas 100 gramas em todo o período dos 4 dias. E hoje ela ainda vomitou pequena quantidade de líquido transparente espumoso. Ela até pede comida, insistentemente, mas quando oferecemos a ração, rejeita imediatamente: vira a cara, afasta-se do local… Seria até engraçado se não fosse trágico. Já trocamos o local e até o prato ou comedouro, nada dá resultado. Para vermos se não está doente (sem apetite), testamos em mínimas quantidades as coisas das quais ela gosta (ovo cozido, cenoura, maçã, alface e petiscos), e ela aceita todas avidamente. Mas ração, nada. E a ingestão de água também caiu nesses dias para menos da metade do habitual (de 180 a 200ml, caiu para 90 a 100, por dia). Ela parece um pouco menos ativa, mas ainda corre, pula e brinca razoavelmente, para estes dias de clima quente. Perguntei ontem ao veterinário sobre vitaminas, como Apevitin BC, para estimular o apetite dela, e ele disse para dá para esperar um pouco mais mantendo o esquema de só ração até a fome vencê-la, pois “ela está pesadinha, tem reservas”. Mas francamente estou achando 4 para 5 dias sem comer quase nada um absurdo, considerando que a Linda ainda é um filhote, e minha esposa está até pensando em levá-la a outro veterinário. Há alguma sugestão do que fazer para a Linda ter apetite suficiente para comer a ração?

    Responder
    • caoecia petshop Posted 15 de fevereiro de 2015 6:34 pm

      Boa tarde Carlos. Infelizmente a maioria das pessoas acaba se rendendo aos pedidos insistentes dos cães por comida, isto é um erro, voltar a dieta habitual é um desafio diário. O seu veterinário tem razão, você deve insistir, se parar agora ela não vai voltar à ração e isto vai trazer sérias consequências no futuro, uma dieta totalmente desequilibrada pode levar a problemas gastrointestinais, dermatológicos entre outros. O meu conselho é fazer da alimentação uma brincadeira agradável para ela, jogar grãos para ela pegar, colocar os grãos dentro de algo para ela procurar (existem produtos que são feitos para colocar ração dentro), pode tentar mudar a ração para uma de paladar mais atrativo, mantendo a qualidade é claro, aconselho royal canin, proplan, premier. Vale a pena insistir para ela voltar à ração, mesmo que no início seja meio traumático. Acompanhe o peso, caso a perda comece a ser significativa, mais de 200g, introduza as vitaminas e libere somente parte dos petiscos, mas sempre tentando voltar à ração.

      Responder
      • Carlos Azambuja Posted 15 de fevereiro de 2015 10:59 pm

        Bom, não vamos nos render facilmente, não! Nós já tentamos envolver a Linda em brincadeiras com a ração, sem sucesso; temos uma bola plástica dessas de por ração dentro, mas a Linda brinca com a bola, espalha a ração pelo chão e não come um grão. Experimentamos um pouquinho de outras rações Super Premium (Pro-Line e DuDogs), ela se interessou momentaneamente, comeu um pouquinho alguns dias, e nunca mais quis também. Ela comia ração muito bem até os 5 meses, a partir daí foi parando de comer, e nós fomos acrescentando diferentes “iscas” para atraí-la para a ração (patês de latinha, peito de frango cozido sem sal, ovo cozido sem sal, tudo em pequenas quantidades), mas isso funcionava por pouco tempo, com ela voltando a comer bem a ração misturada às iscas por poucos dias, até enjoar e rejeitar tanto a isca quanto a ração. Porém nunca deixamos de lhe oferecer a ração como alimento principal, e meu temor é que, pelo que vejo, sendo filhote, ela vem passando os últimos 3 meses com a nutrição comprometida, não por se empanturrar de guloseimas (pois damos muito pouco), mas por não comer nem perto do suficiente de ração. Mas vamos tentar testar pelo menos uma dessas três rações que você mencionou. Quanto ao peso, independentemente da reeducação alimentar, ela tem que perder cerca de meio quilo segundo o veterinário (voltar aos 6,8kg), mas entendo que isso deve ser gradual, ou seja, entendo seu conselho como sendo para o caso de ela perder mais de 200g muito rapidamente, em poucos dias. Mais uma vez muito obrigado pela resposta, que você nos deu em pleno domingo de Carnaval — Deus a abençoe por tanta dedicação e solidariedade! Sua resposta certamente deu algum alívio e ânimo à gente!

        Responder
        • caoecia petshop Posted 16 de fevereiro de 2015 12:28 pm

          Bom dia Carlos. Acredito que todo este problema tenha começado com o cio, a falta de apetite, que normalmente ocorreu neste período foi o que levou a introdução de novos alimentos e retirá-los é sempre muito complicado, mas vale a pena insistir, só trará benefícios no futuro. Isto ocorre com todas as pessoas que criam um único cão, se tornam reféns das vontades deles. Quando me perguntam sobre criação, aconselho sempre a criar dois ao mesmo tempo, isto evita muitos problemas, alimentares, de comportamento, entre outros, porque sempre vai existir uma disputa. Você pode testar, coloque outro cão de um amigo próximo da comida dela, veja como ela se comporta. Mas claro que é somente uma dica, sei que muitas vezes é complicado criar dois.

          Responder
          • Carlos Azambuja Posted 16 de fevereiro de 2015 5:08 pm

            Olá! O problema de enjoar da ração e dos acréscimos na verdade começou claramente uns 2 meses antes do cio, foi quando ela tinha uns 5 meses (eu tenho a ingestão em gramas anotada, e fiz até gráficos…). E foi uma piora gradual, mas realmente acelerou no cio. Porém estou rindo demais agora com essa sua sugestão do outro animal… Pois HOJE chegou aqui em casa a Nina, a irmãzinha da Linda que ela não via desde bebê, e que, se der certo, morará aqui como princesinha infante (a princesinha regente é a Linda, claro). Que coincidência, ou que intuição de sua parte! Enfim, a Nina tem quase a metade do corpo da Linda, e quase o dobro da animação, aparentando estar bem à vontade aqui, e com a irmão, com quem quis brincar várias vezes enquanto a Linda está meio ressabiada com a invasão de seu espaço e sem vontade de brincar com a outra… Mas carinho, comida, etc., sempre damos primeiro à Linda, e em seguida para a outra, deixando elas se cheirarem, e parece que ambas estão ficando mais relaxadas agora, depois de algumas horas que se encontraram. Mais uma vez obrigado, e vamos tirar partido do seu conselho, sim, pois a novata Nina come ração pura que é uma beleza! Que seja uma boa influência para a Linda, assim como a Linda já é uma boa influência para ela (a Nina, com 8 meses, não fazia de jeito nenhum cocô no lugar certo em sua casa anterior, mas chegou aqui hoje e já acertou o sanitário de primeira, depois de ver a Linda usá-lo, hehe). Grato, e abraços!

          • caoecia petshop Posted 16 de fevereiro de 2015 5:51 pm

            Que bom Carlos, disponha sempre. Tenho certeza que é somente uma questão de tempo para que elas comecem a adquirir os bons hábitos uma da outra, e entre eles, comer ração, que ótimo, foi uma coincidência mesmo. Boa sorte, vai ser uma boa oportunidade para observar o comportamento dela com alguém invadindo o seu espaço.

  • Carlos Azambuja Posted 6 de fevereiro de 2015 5:36 pm

    Boa tarde! Objetivo, para não abusar do espaço. Linda, Lhasa Apso de 7 meses e meio, saiu há poucos dias do 1º cio (sem cruzar; 1º sangramento há 25 dias). Glândulas mamárias ainda um pouco inchadas (conforme mensagem anterior). Ativa, alegre e aparentando boa saúde, apesar de comer pouco. Amanhã terá consulta de rotina com o veterinário, mas recorro ao blog de uma vez pela ansiedade: apareceu algo como uma feridinha próximo a uma das tetas (não sangra, é bem discreta), pode ser algo normal nessa situação pós-cio?

    Responder
    • caoecia petshop Posted 6 de fevereiro de 2015 5:51 pm

      Boa tarde Carlos. Durante o cio e alguns dias após as mamas ficam inchadas, muitas vezes isto incomoda um pouco e ela pode lamber, morder ou coçar, caso seja um local que ela alcance. Alguns mamilos podem apresentar alteração na conformação, serem mais internos e isto também pode causar incômodo. Muitas fêmeas podem apresentar pseudogestação, também conhecida como gravidez psicológica, onde há o aparecimento de leite nas mamas, neste caso elas ficam ainda mais inchadas e com secreção, que também incomoda, talvez não seja o seu caso, mas para lembrá-lo que isso pode acontecer 2 a 3 meses após o cio. Algumas hipóteses, mas o melhor mesmo é o exame clínico.

      Responder
  • Carlos Azambuja Posted 2 de fevereiro de 2015 1:13 am

    Boa noite! Tudo indica que Linda, nossa Lhasa Apso de quase 7 meses e meio, chegou ao final de seu 1º cio (22 dias após o início do sangramento, que durou 10 dias). Na verdade desde quarta-feira passada ela já vem mudando gradualmente seu comportamento, ficando mais ativa, comendo muito melhor, buscando de novo seus brinquedos mais antigos. Mas notamos que suas pequenas mamas permanecem inchadinhas, e não é só a teta mas a própria glândula mamária sob a pele. Pensei que isso deve ser o desenvolvimento normal de seu organismo, pelo fato de ser seu 1º cio, mas minha esposa está em dúvida. É normal que, ao final do cio e poucos dias após o cio (no caso, do 1º cio), as mamas fiquem um pouquinho inchadas? Se sim, por quanto tempo? Agradeço antecipadamente a resposta!

    Responder
    • caoecia petshop Posted 2 de fevereiro de 2015 6:42 pm

      Boa tarde Carlos. Sim é normal as mamas ficarem mais inchadas. Sempre que se aproxima o cio e logo após, as masmas incham, podem ficar inchadas por 10 a 15 dias. Depois do primeiro cio as mamas podem permanecer um pouco aumentadas, devido à ação hormonal, que a partir do primeiro cio passa a ser mais intensificada.

      Responder
  • Carlos Azambuja Posted 19 de janeiro de 2015 3:02 am

    Com o calorão que tem feito e mais o seu 1º cio, a Linda, nossa Lhasa Apso de 7 meses menos 1 dia e cerca de 5kg (ela é grandinha!), está comendo pouquíssimo, menos ainda do que seu normal, que já é pouco. Ela não recusa, nunca, petiscos de treinamento, cenoura, alface e pedacinhos de ovo cozido (tudo isso damos em quantidades mínimas, claro), mas ração mesmo, está uma dificuldade! (Porém bebe água normalmente, entre 150 e 250 mililitros por dia, mais quando come mais.) A tabela do fabricante da ração Superpremium que usamos sugere, para a sua raça e faixa etária, o mínimo de 195 gramas por dia. Eu posso afirmar com certeza que a Linda tem comido, de um mês para cá, apenas de 60 a 90 gramas por dia, dentro de uma faixa cujos limites mínimo e máximo, muito raramente alcançados, são 40 e 140 gramas. E agora durante seu 1º cio, o normal dela tem sido mais para 60 do que para 90 gramas por dia. Ora, isso é MUITO menos do que sugerido na tabela do fabricante! Meu veterinário diz que, com ela está ativa e brincalhona, vacinada e vermifugada recentemente, eu não deveria me preocupar, “por enquanto”. Mas será que os fabricantes exageram mesmo tanto assim em suas recomendações, ou haveria um probleminha com a Linda?

    Responder
    • caoecia petshop Posted 19 de janeiro de 2015 5:46 pm

      Boa tarde Carlos. Os fabricantes não exageram, até acho que a quantidade recomendada, muitas vezes, é pouca, pese ela semanalmente e observe se ela está perdendo peso, caso esteja, o melhor é consultar. O cio deixa as fêmeas um pouco mais incomodadas e realmente pode alterar a rotina, mas também é uma fase de baixa de imunidade, então, caso ela apresente algum sintoma, consulte e faça uma hemograma apenas por precaução.

      Responder
      • Carlos Azambuja Posted 20 de janeiro de 2015 4:28 pm

        Obrigado pelo alerta, fiquei até meio passado! Eu sabia que a Linda estava comendo menos do que deveria, por comparar com outros Lhasa de conhecidos meus. Mas como eles dizem que seus animais comem também bem menos do que o recomendado pelo fabricante, tomei por certo que a recomendação em si era exagerada: 195 a 260 gramas diárias de ração Superpremium para Lhasa Apso de 28 a 41 semanas (a Linda tem 30 semanas). Mas esses outros Lhasa comem em média 1/2 a 2/3 do recomendado, enquanto minha Linda, pobrezinha, está comendo só 1/3 ou menos! Vamos monitorar o peso, sim, e fazer o hemograma. Mais uma vez muito grato pelo alerta!

        Responder
        • caoecia petshop Posted 21 de janeiro de 2015 12:04 am

          Boa noite Carlos. Disponha sempre. O controle do peso é muito importante sempre, aumentos ou perdas significativas podem revelar problemas que, muitas vezes, não percebemos.

          Responder
  • Carlos Azambuja Posted 9 de janeiro de 2015 11:52 am

    Olá! Hoje eu venho mais uma vez abusar das extraordinárias bondade e atenção que imperam no blog da Cão & Cia com uma dúvida grave, mas não sobre a Linda, minha Lhasa Apso. O problema é com a mãe dela, Akira, com 2 anos e 3 meses. Ela já está melhor, mas o veterinário (de confiança da dona há anos) não consegue achar o que há de errado com ela, ainda mais depois que uma bateria de exames mostrou apenas uma pequena baixa na glicose sanguínea. Akira estava em viagem com sua dona, teve uma infecção intestinal e foi tratada com antibiótico cujo nome me foge agora, e durante o tratamento, que terminou em casa, ficou ainda mais abatida, prostrada, parou de comer, passou a ter tremores intensos e constantes por todo o corpo e sua pele ficou bem avermelhada (não com manchas vermelhas, mas avermelhada por inteiro; ela é branquinha, a cor normal de sua pele é rosa claro), mas durante todo o tempo sem sinal de febre — essa situação durou uns 2 dias e aí começou a melhorar. A suspeita era de reação alérgica ao antibiótico (pessoalmente cheguei a pensar em envenenamento, ou alguma picada peçonhenta, pois para mim, leigo, pareceu que o sistema nervoso foi afetado, pelo tremor), mas o fato é que, realmente, terminado o tratamento com o antibiótico (para minha surpresa, parece que prosseguiram, pois já estava no final), ela vem melhorando ao longo dos últimos 3 ou 4 dias. Os tremores diminuíram até sobrar agora só um leve tremor em uma das pernas, ela já se alimenta melhor, já se anima a brincar um pouco, mas a pele ainda está bem avermelhada, e ela ainda está em observação pelo veterinário, é claro. Ela não tem doenças crônicas, e o que aconteceu parece ter sido uma crise aguda, mas não se sabe do quê. Minha preocupação principal é com a saúde da cadelinha e com a ansiedade da dona, amiga de minha esposa, mas também sinto uma inquietação com a genética, já que até agora não se sabe o que a mãe da minha Linda teve. Será que vocês na clínica já toparam com esse tipo de coisa? Tremores intensos em todo o corpo e pele avermelhada, mas sem nenhuma febre, junto com grande abatimento e falta de apetite?

    Responder
    • caoecia petshop Posted 9 de janeiro de 2015 12:18 pm

      Bom dia Carlos. Há muito tempo atendi um caso semelhante, uma yorkshire apresentou um quadro infeccioso e foi tratada com antibiótico a base de sulfa e trimetoprim, após a primeira dose ela começou a apresentar tremores generalizados, não me recordo se a pele foi afetada, mas os tremores eram evidentes. A medicação foi interrompida e os tremores passaram, foi realmente um quadro de sensibilidade a sulfa. Ela se recuperou totalmente. Não sei se foi este o antibiótico que ela tomou, mas ele é muito utilizado para infecções intestinais. Caso tenha sido, procure não utilizar este antibiótico em sua filhote.

      Responder
      • Carlos Azambuja Posted 9 de janeiro de 2015 4:41 pm

        Eu já sabia que você teria algo a dizer sobre o caso, pela abrangência das ótimas respostas que há neste blog, indicativas de muito conhecimento e experiência. Então fui confirmar com minha esposa, amiga da dona da cadelinha doente, e acabo de saber que o antibiótico que a Akira tomou tinha exatamente esses dois componentes que você citou (tipo Bactrim). Depois que interromperam a medicação, a Akira foi melhorando e agora está-se recuperando muito bem, quase boa, já. Portanto, “para variar” ;-) parece que você acertou em cheio, de novo!
        A minha Lhasa Apso Linda, filha da Akira, já teve que tomar, há uns 2 meses, o Kaopek, que também tem sulfa na composição mas cujo princípio ativo principal é a neomicina, e ela não apresentou qualquer reação. Mas eu acho, como leigo que pode estar falando bobagem, que o composto com sulfa do Kaopek (ftalilsulfatiazol) não é absorvido no trato gastrointestinal, enquanto que o do outro antibiótico (sulfametoxazol) é absorvido, ainda que fracamente, o que poderia explicar a reação à sulfa na mãe e a não-reação na filha.
        Apesar do sofrimento temporário da Akira, foi útil saber dessa reação, para ler seu conselho e evitar no futuro o uso daquele antibiótico na minha Linda! Gratíssimo pela opinião à distância e pelo conselho!

        Responder
        • caoecia petshop Posted 9 de janeiro de 2015 5:26 pm

          Realmente é uma reação que somente poucos cães apresentam, este antibiótico é muito prescrito. Existem vários tipos de sulfa, então a reação pode ser a uma específica ou não, e sua filhote pode ou não apresentar sensibilidade, mas agora sabendo disto, sempre fique atento a medicamentos a base de sulfa. Obrigada e disponha sempre que precisar.

          Responder
  • Carlos Azambuja Posted 4 de janeiro de 2015 9:06 pm

    Gostaria de saber qual o melhor horário para fazer a limpeza diária (com algodão e soro fisiológico) dos olhinhos da minha Lhasa Apso de 6 meses: de manhã cedo ao acordarmos, ou à noite, um pouco antes de dormirmos?

    Responder
    • caoecia petshop Posted 5 de janeiro de 2015 2:01 pm

      Bom dia Carlos. O melhor é sempre pela manhã, ao acordar, a secreção acumula mais durante a noite, mas claro, existem alguns cães que liberam mais secreção, neste caso, pode ser feito de manhã e a noite. Um conselho, cuidado com shampoos irritantes para os olhos, o lhasa possue o globo ocular mais proeminente, tem predisposição a problemas oftálmicos, como a ceratoconjuntivite seca, utilize um colírio lubrificante antes do banho, gosto muito do lácrima plus humano.

      Responder
      • Carlos Azambuja Posted 5 de janeiro de 2015 5:15 pm

        Obrigado pela pronta resposta! Nos banhos domésticos da Linda, nossa Lhasa Apso, usamos o Johnson’s baby shampoo, para bebês, mesmo, que eu espero que seja tão suave quanto anunciam… Nunca vi os olhos da Linda com aspecto ressecado (mas já vi e limpei cuidadosamente uma espécie de geleinha bem sobre um dos globos oculares), mas estarei atento a isso, grato pela dica extra! Tenho um colírio aqui em casa que é tão suave que pode ser usado até por quem usa lentes de contato (como eu): o Lacrifilm, de composição semelhante à lágrima (humana) e indicado para melhorar irritações, ardor e secura oculares. Seria interessante usá-lo na Linda antes dos banhos?

        Responder
        • caoecia petshop Posted 5 de janeiro de 2015 5:55 pm

          Boa tarde Carlos. A composição deste colírio é semelhante ao lácrima plus sim, pode usar antes do banho, ele forma um filme protetor na córnea, mas sempre observe possíveis irritações após o uso, caso ocorram suspenda. O shampoo johnson é o que causa menos irritação nos olhos, o ideal é que seja usado sempre na região da cabeça.

          Responder
          • Carlos Azambuja Posted 6 de janeiro de 2015 12:30 am

            Agradeço pelos esclarecimentos! No banho da Linda (mais ou menos de 10 em 10 dias), sempre tomamos muito cuidado com os ouvidos e os olhos, para não respingar água ou shampoo (os ouvidos são mais fáceis de proteger, com tampõezinhos de algodão, é claro). Graças a Deus parece que até hoje ela não teve um episódio de irritação ocular por causa do banho, mas, para prevenir, vamos, sim, adotar o colírio antes de cada banho.

          • caoecia petshop Posted 6 de janeiro de 2015 1:03 pm

            Bom dia Carlos. Disponha sempre que precisar. Você é muito cuidadoso, dificilmente ela terá problemas.

  • Ingrid Posted 2 de novembro de 2014 10:35 pm

    Boa noite, tenho um lhasa apso de 3 meses e de algumas semanas pra cá venho notando que seus olhos e o seu focinho está ficando sempre molhados e ele também coça o focinho. Tem alguns pelos que ficam juntos e duros, limpo com soro, mas não seca. Fica umido. Gostaria de saber quais são os cuidados que devo tomar e pq isso acontece. Sinto que isso o incomoda muito. Quero poder melhorar sua saude e aparencia, pois com o focinho umido sempre fica sujo :/ Obrigada!!

    Responder
    • caoecia petshop Posted 3 de novembro de 2014 1:37 am

      Boa noite Ingrid. Alguns cães podem apresentar uma secreção mais intensa nos olhos, você precisa consultar para avaliar se ele não está apresentando problemas oculares. Limpe com soro fisiológico os olhos e as secreções até poder consultar. Cuidado para não contaminar o soro, guarde na geladeira.

      Responder

Add Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com